20/08/06

jangadeiro


um barquinho bem simples, uma casca de noz.
barco de pescador solitário.
o mar convida, o vento chama.

o barquinho no mar. o jangadeiro dentro dele.
os dois sem direção no mar aberto.

rema só um pouco. depois pára e deixa a onda levar.
várias correntezas brigam, cada uma querendo puxá-lo para o seu canto.
e ele se deixa levar, para lá e para cá, sem saber onde a brincadeira vai dar,
achando lindo cada um dos caminhos que se lhe abrem.

e então as correntezas páram de brigar, cansadas,
largando o barquinho parado, sem nem uma marolinha no mar profundo.

o jangadeiro olha em redor e não vê nem um resto da terra de onde zarpou,
nem perspectiva de uma terra onde chegar.
por onde olha é só mar.

o barquinho navega no mais profundo silêncio.
aquele silêncio que faz parecer que não existe mais nada no mundo:
nem pessoa, nem lugar, nem tempo.

onde olha, não há lugar para onde ir.
nem direção a seguir.
só horizonte. trezentos e sessenta graus de horizonte,
como se uma nova terra o esperasse em qualquer porto que escolhesse,
e tudo o que ele tivésse a fazer fosse escolher sua direção.
o horizonte para onde navegar.
e então remar, sem deixar correnteza nenhuma o atrasar.
como se, remando novamente, o vento resolvesse se fazer novo,
engravidando as velas do barquinho e o levando depressa pro seu destino.

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

que saudades dessas ilustrações

5:15 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home